Oração, uma prática a ser cultivada

Poderia começar este texto com um título diferente, como “Oração uma prática a ser resgatada”, mas decidi colocar como uma prática a ser cultivada porque suponho que um cristão verdadeiro ora. São inúmeras as referencias bíblicas a respeito da oração, o que nos mostra sua importância para uma vida cristã saudável e cheia da graça de Deus.


Em nosso mundo agitado somos levados a um estresse fora do comum o que nos gera muita pressão. Naturalmente pelo esgotamento físico e mental de nossa época e com tanta coisa concorrendo com a nossa atenção somos levados a velha máxima de não termos tempo para orar ou deixar a oração como último recurso somente quando o “calo aperta”, e de modo desesperado vamos em busca de oração, tanto individual quanto a pedir aos irmãos próximos que nos ajudem intercedendo por nossa condição. Mas uma pergunta deve se fazer presente para nós hoje: Quando foi a última vez que você tirou um tempo para orar? Quando apesar de toda rotina dura de trabalho (O SENHOR Jesus também tinha essa rotina) você dedicou algum tempo para falar com Deus em oração? J.I Packer diz: ‘’As pessoas têm um problema com a oração por causa da dificuldade que elas têm com Deus”.


Devemos orar e podemos orar. Sem oração não comunicação com Deus. Podemos mesmo com toda agitação orar, se retirar e estar a sós com Deus, quando a esposa sai resolver algo, quando o marido está no trabalho, filho na escola e muitas outras situações em que você dentro da sua rotina sabe que pode orar. Ore ao levantar, ore ao dormir. Descubra qual seu melhor horário e ore.

Oração é um convite a mostrar dependência em um mundo independente, mostrar fraqueza em um mundo autoconfiante, mas que é tolo aos olhos do Deus de toda graça e poder.

Veja o que Timothy Keller diz em seu livro sobre oração:


“Na verdade, nossa impotência também pode ser fonte de confiança – A famosa declaração de Jesus à igreja de Laodiceia – Vede, estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo. (Ap 3.20) – costuma ser usada para convidar incrédulos a acreditarem em Cristo. Mas, na antiguidade, o convite para jantar era uma oferta de amizade. Jesus está convidando os crentes à comunhão íntima consigo – a orar. A oração, nessa imagem, é uma resposta a Jesus, que bate à porta”.


Portanto meu irmão, não veja a oração como um fardo, mas como uma dádiva.


Deus abençoe!

 

Referências bibliográficas:
J.I Packer – A oração do Senhor, pág 13 – Editora Cultura Cristã;
Timothy Keller – Oração: Experimentando intimidade com Deus pág. 134– Editora Vida Nova.

 

Escrito por: Renan Pierini